sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Delicadeza

As vezes eu esqueço da delicadeza do mundo
Aí eu encontro uma flor
E me lembro que nem tudo é
tão violento assim.

As vezes eu esqueço da delicadeza em mim
Aí eu recebo uma flor
Que acorda a escassa leveza
que dormia há tempos dentro de mim.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Água Rasa

Somos os mesmos
Mas somos tão outros
Deixo o sol me cegar
A pele fina da cicatriz sensível
Abro os olhos e deixo o sol queimar minhas retinas
Respiro
Posso finalmente ser
Sinto a grama
Sinto seu cheiro
Sinto o silêncio
Sinto sua mão no meu cabelo
Sinto
Sinto
Sinto
Sinto muito.
Não vejo mais nada
Não tenho nada mais para dizer
Olho para o sol
Me deixo cegar pela luz
Não por amor

domingo, 18 de junho de 2017

Poema para seguir em frente.


Eu:
sorridente, na pose, disfarço o abalo
performo, atuo, faço cena, não calo
sigo o fluxo, preencho, formulo
repito palavras, transbordo, me anulo

tento fingir, distrair minha mente
perco a noção, sou inconsequente
resisto, eu fujo e tento esquecer
por saber que não posso, só sei te querer.

Nós:
no ruído entre brincadeira e verdade
na vibração silenciosa da vaidade
no remix de muitas identidades
no intervalo entre egoísmo e liberdade

no atrito dos dedos na corda do violão
no contra-tempo de cada te(n)são
na nota tocada sem amplificação
somente um eco da imaginação.

terça-feira, 2 de maio de 2017

FAXINA

Lavei seu cheiro do meu travesseiro
seu prazer dos meus lençõis
e algumas gotas de desejo que escorreram pelo chão.

Encontrei meu nome (sus)surrado
no vão entre a cama e a parede
E varri montes de palavras perdidas encrustadas em cada quina.

Difícil foi esfregar as marcas do meu corpo,
as manchas na minha auto-estima
e colar os pedaços de confiança que você derrubou sem querer.

- Quase caí da janela ao limpar o vidro das lembranças! -

Torci panos e panos de destinos imaginados
que desceram imundos pelo ralo
(tive que deixá-los de molho: encardidos que estavam de desilusão)

Ao deitar na cama, porém, a saudade certeira
paira sobre mim feito poeira:
invisível, incessante e em movimento eterno e constante.